quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Outros fungos, o que fazer?

Desta vez quem nos orienta é o grande orquidófilos de Florianópolis, Carlos Gomes, proprietário do orquidário comercial, que leva seu nome. Diga-se de passagem, mas o Carlos faz melhoramentos belíssimos na Laelia purpurata, Cattleya intermedia, Cattleya leopoldii e outras mais. Confiram no site dele, vale a pena: http://www.orquidariocarlosgomes.com/

Vera, realmente esse ano tem sido atipico em termos de infestação por fungos. Normalmente, temos ataques na entrada e saida do inverno, em que sempre perdemos algumas plantas pequenas ou brotos de plantas adultas. O sintoma é o enegrecimento dos bulbo mais novos e se não cuidada, a perda da planta.
Aqui no sul, temos tido chuvas frequentes desde agosto de 2008, e mesmo esse ano raramente temos um semana sem alguns dias de chuva. Como consequência, as plantas raramente secam, mesmo quando ventiladas e cultivadas em brita como é o nosso caso. Muitos orquidofilos tem me contatado para falar do problema. Parece que acontece em todo o Brasil, em maior ou menor escala. Aqui em casa, perdemos grande quantidade de seedlings, pois são as plantas de menor resistência. As adultas podem ser salvas se vistas a tempo e tomadas as precauções.
O grande culpado é o fungo Pythium ultimum, geralmente associado a bacteria Erwinia carotovora. Não vou entrar em detalhes sobre eles mas já foi publicado muito na Internet, em revistas de orquideas e mesmo aqui na lista. O importante é descobrir a fonte da infestação, geralmente a água de regas, ou adubos orgânicos, como a torta de mamona mal armazenada (o Pythium é um fungo de solo letal para as orquideas), substratos contaminados, etc... Geralmente o orquidofilo é o vetor desses fungos, seja atraves de ferramentas não esterilizadas, vasos sujos, substratos e drenos contaminados, etc...
Mas o que fazer após a contaminação? Buenas, se for em pequena escala, algo que dê para suportar, basta aplicar um fungicida sistêmico, especial para esse fungo e cuidar das fontes de transmissão.
No caso comercial, com milhares de plantas, a coisa é mais complicada!
Aqui eu estou atacando por todos os lados que posso. Estou fazendo um novo poço para a fonte de agua, com 20 m de profunddade, para eliminar a possibilidade da água ter sido contaminada com toda aquela chuva do ano passado. Já passamos várias vezes os fungicidas especificos, tanto para bacteria quanto para fungos, como o Kazumin e o Aliette, ambos muito bons para esse caso. Outra providência foi desenvasar todas as plantas em locais com alguma planta com problema. Ja estamos com mais de 30 mil plantas desenvasadas! E só iremos envasar quando o problema acabar em todo o orquidario.
É muito trabalho e muito custo, mas é uma maneira eficaz. Depois de desenvasar, aplicamos os fungicidas semanalmente em toda a planta. Elas ficam dentro dos vasos vazios e logo enraizam, apos a morte do fungo. Alem disso, aplicamos tambem o Dithane, para prevenir o ataque de outros fungos oportunistas.
Desse modo estamos conseguindo reduzir drasticamente as perdas de plantas. Mesmo assim, ja foram mais de mil...
Infelizmente não conheço nada eficaz contra esse fungo e bacteria, que não seja quimico. Devemos lembrar que a atuação deles é extremanente rápida, matando a planta em poucos dias. Assim, o tratamento com produtos de atuação lenta provavelmente terá pouca eficácia contra plantas infectadas.
Abraços e disponham, lembrando que estou de férias....
Carlos Gomes


Pesquisando: O que é Erwinia carotovora? E como se apresenta esta bactéria na planta.
PODRIDÃO MOLE OU PÉ NEGRO, Erwinia carotovora subspp.carotovora e atroseptica(van Hall) Dyc
Bactérias

Sintomatologia Os caules infectados apresentam uma podridão típica, com o aspecto de tinta preta.A folhagem torna-se clorótica, os folíolos inicialmente tendem a enrolar-se, murchando e morrendo em seguida. Posteriormente, toda a planta acaba por murchar e morrer.O sintoma típico no tubérculo é caracterizado por uma podridão húmida e mole da medula, exalando um cheiro forte a peixe podre, que a partir da zona do hilo se estende para áreas mais profundas.Biologia O inóculo primário encontra-se sobre o tubérculo mãe ou no interior do mesmo, tendo penetrado pelas feridas provocadas durante a colheita.Após a plantação os tubérculos vão-se deteriorando, libertando grande quantidade de bactérias, as quais vão infectar as plantas vizinhas.A transmissão da doença é favorecida por solos húmidos e temperaturas baixas.Solos húmidos e frescos na altura da plantação, e temperaturas altas na altura da emergência, favorecem a presença da bactéria.
Fonte: http://www.sapecagro.pt/internet/webteca/artigo.asp?id=40&url_txt=&link

2 comentários:

renato ury disse...

bom dia meu nome é renato eu moro em nanuque uma cidade do interior de minas gerais
sou um amante dessas belas esculturas feitas pelas maos de Deus
estou com duas especies que gostaria de identificalas porem nao sei com pois nao vi fotos de tais orquideas em nenhum lugar
como faço pode me dar uma luz
ah amei seu site ajuda muito em esclarecimentos grato meu email é renatoury@hotmail.com

Adenium - Rosa do Deserto disse...

Renato, envie as fotos para meu e-mail: veracoelhov@gmail.com